Proposta do Algoritmo da Via Aérea Difícil 

 

Finalidades do algoritmo:

facilitar o manuseio da via aérea

reduzir a incidência de eventos adversos

 

Os principais eventos adversos associados ao manuseio inadequado da via aérea difícil são:

óbito, lesão cerebral, parada cardiopulmonar,

traqueostomia desnecessária, trauma à via aérea, trauma dental.

 

As condutas sugeridas podem ser adotadas, modificadas ou rejeitadas por condições clínicas ou restrições. Estas condutas não são definidas como padrão ou exigências absolutas e não garantem resultado.

 

HSamaritano 

Practice Guidelines for Management of the Difficult Airway:

An Updated Report by the American Society of Anesthesiologists
Task Force on Management of the Difficult Airway
Anesthesiology, V 118, No 2, February 2013

 

1. Avaliar a probabilidade e o impacto clínico das seguintes dificuldades:

A. Intubação difícil
B. Ventilação difícil
C.
Paciente não cooperativo (crianças, agitação psicomotora, paciente alcoolizado, confuso ou inconsciente)

D. Traqueostomia difícil

 

2. Sempre administrar O2 suplementar durante os procedimentos.

 

3. Considerar os prós e contras na escolha das técnicas:

 

A. Intubação com paciente acordado ou  tentativa de intubação após indução de anestesia geral?

 

B. Técnicas de acesso não invasivo à via aérea ou acesso invasivo?


C.
Preservação da ventilação espontânea ou abolição da ventilação espontânea? 

 

4. Desenvolver estratégias primárias e alternativas.

 

        vadreconhecida

 

 

Clique sobre as condutas do Algoritmo VAD

para visualizar as explicações.

 

Algoritmo VAD

Intubação acordado

 

# Sempre confirmar ventilação (com tubo traqueal ou Máscara Laríngea) com CO2 expirado

 (capnografia ou colorimétrico).

 

 

Algoritmo VAD

Intubação após indução da anestesia

Situações de emergência

 

 

topo da página      

página inicial