a

página inicial

 

definição VAD

 

avaliação via aérea

 

algoritmo VAD

 

anatomia

 

posição ideal para laringoscopia

 

intubação traqueal

 

fibroscopia

 

máscara laríngea

 

combitube

 

VJTT

 

cricotireoidostomia

 

casos clínicos

 

links

 

biblioteca virtual

 

fale conosco

 

 

 

 

 

 

Extubação na VAD

voltar

      

Após o término do procedimento cirúrgico em um paciente com via aérea difícil nos deparamos

com uma dúvida: podemos extubar? 

Esta questão não é fácil de responder, principalmente naqueles pacientes onde houve muita dificuldade na intubação.

Eventos adversos relacionados a este período foram responsáveis por 7% dos casos de má prática que resultaram em processos movidos contra anestesiologistas em estudo retrospectivo realizado pela ASA.

Os critérios usuais para a extubação devem ser seguidos, como:

estabilidade hemodinâmica,

oximetria e capnometria normais,

normotermia,

adequados volume corrente e freqüência respiratória,

paciente consciente, alerta e com capacidade de  tossir e eliminar secreções.

                                                            

Recomendações para a extubação em casos de VAD:

administrar O2 100%,

aspiração de orofaringe,

desinsuflar o balonete do tubo traqueal,

inserir um tubo trocador no interior do tubo traqueal,

retirar o tubo traqueal através do tubo trocador,

ofertar O2 por máscara facial ou pelo tubo trocador.

 

tubo trocador

dispositivo que permite a administração de O2 e funciona

como um guia para a intubação

 

 

 

Os tubos trocadores são tubos semi rígidos de diâmetro menor que o TT, com comprimento de 45cm para pediatria e 83cm para adultos.

 

Possuem lúmen que permite a administração de O2, extremidade distal atraumática, conexão

luer lock e/ou 15mm e marcas graduadas em centímetros para orientar seu posicionamento.

 

Cuidados na administração de O2 através do tubo trocador

assegurar a desobstrução da via aérea colocando o paciente em posição olfativa ótima e uso

de cânula oro ou nasofaríngea.

ofertar O2 preferencialmente  com baixos fluxos de O2 (1 a 2 l/min) que é suficiente para prover oxigenação apneica.

 

Como evitar barotrauma quando se utiliza o sistema de ventilação a jato?

Cuidados:

pressão limitada em 15psi,

tempo expiratório longo,

uso de tubo trocador de diâmetro adequado ao tubo traqueal conforme tabela abaixo

 

Cuidado para evitar o barotrauma: assegure que a extremidade distal do tubo trocador      esteja acima da carina, preferencialmente 2-3 cm.

 

Tubo trocador x tubo traqueal

  

Comprimento do tubo trocador

Diâmetro interno do tubo trocador

Diâmetro do TT

45 cm

1.6 mm

≥ 3 mm

83 cm

2.3 mm

≥ 4 mm

83 cm

3 mm

≥ 5 mm

83 cm

3.4 mm

≥ 7 mm

 

 

 

 

 

 

 

Remover o tubo trocador após 30 a 60 minutos, se não houver sinais de obstrução ventilatória.

 

As complicações relatadas com o uso de tubo trocador são: barotrauma e lesão do brônquio

        ou parênquima pulmonar.

 

topo da página 

 

voltar  página inicial