ML e VAD
 

voltar     página inicial

Máscara Laríngea e o Algoritmo da Via Aérea Difícil

 

 

Em outubro de 2002, a Sociedade Americana de Anestesiologia (ASA) publicou a atualização do Algoritmo da via aérea difícil com a ML incluída nas situações propostas por Benumof em 1996:

mascara_laringea

ML como conduto para intubação traqueal com fibra óptica no paciente acordado;

ML como via aérea definitiva para prosseguir o caso; na situação de não emergência (paciente anestesiado

que não pode ser intubado, mas ventila satisfatoriamente com máscara facial),

ML como conduto para intubação traqueal com fibra óptica no paciente anestesiado que pode ser ventilado, mas não intubado;

ML na situação de emergência “não intubo, não ventilo”, como um dispositivo salva-vidas;

ML como conduto para intubação traqueal nos casos “não intubo, não ventilo”.


 


Máscara Laríngea no Algoritmo ASA (Anesthesiology, V 98, No 5, May 2003)

Uso da ML no paciente acordado como recurso para intubação traqueal
Numerosas publicações são favoráveis ao uso da ML como uma opção para intubação traqueal guiada

ou não por fibra óptica em pacientes acordados e adequadamente preparados, comparativamente

a métodos altamente estimulantes como a laringoscopia e a broncoscopia rígida.

 

A Tabela abaixo relaciona a compatibilidade entre os diferentes tamanhos da ML e o diâmetro interno

do tubo traqueal.

Tabela  - Compatibilidade do tamanho da ML e o diâmetro interno do tubo traqueal

Tamanho ML                                Diâmetro interno tubo traqueal

no 1

3,5 mm

no 1,5

4,0  mm

no 2

4,5 mm

no 2,5

5,0 mm

no 3

6,0 mm com balonete

no 4

6,0 mm com balonete

no 5

6,5 - 7,0 mm com balonete

voltar

Uso da ML como via aérea definitiva na situação de não emergência (paciente anestesiado

que não pode ser intubado, mas pode ser ventilado)

Uma das alternativas previstas no Algoritmo da ASA para pacientes anestesiados que não possam ser intubados, mas que ainda podem ser ventilados com máscara facial, é a de se continuar com o procedimento anestésico através da máscara facial.

 

Nestas circunstancias, o uso da ML é uma alternativa comparativamente mais vantajosa que a máscara facial.

A ML proporciona uma via aérea mais eficiente quanto à ventilação e oxigenação, além de liberar as mãos

do anestesiologista para outras atividades vitais, e, podendo ainda funcionar mais tarde, como uma via

para uma intubação através de fibra óptica.

voltar

Uso da ML como conduto para intubação traqueal com fibra óptica no paciente anestesiado,

que pode ser ventilado mas não intubado

A ML tem bom desempenho para intubação traqueal, tanto no paciente anestesiado como no desperto, u

ma vez que conserva a via aérea livre, permitindo a ventilação mesmo durante a passagem do aparelho.

 

A ML também evita a aposição da língua com a faringe, um problema comum da fibroscopia, que faz com

que outros artefatos também utilizados na intubação com fibra óptica, como as cânulas de Williams,

Ovassapian e Berman, nem sempre funcionem bem em pacientes anestesiados.


Máscara laríngea como conduto para fibroscópio

voltar


Uso da ML na situação de emergência “não intubo, não ventilo”, como um dispositivo salva-vidas

Esta talvez seja a situação onde a ML tem seu maior valor no manuseio da VAD.

 

A inserção imediata de uma ML é uma conduta sensata nestes casos, exceto quando patologias de laringe

 e faringe (tumores, abscessos) impeçam seu correto posicionamento, ou mesmo limitem a troca gasosa.

A indicação da ML na situação de emergência “não intubo, não ventilo”, preterindo mesmo o Combitube

e a ventilação a jato transtraqueal, reside no fato da ML rapidamente ser capaz de prover na maioria dos casos,

uma ventilação eficaz e potencialmente menos traumática, além de que, sua técnica de inserção já é bem

dominada pelos anestesiologistas, que diariamente utilizam as ML em rotinas.

 

voltar

 

Uso da ML como dispositivo para intubação traqueal nos casos “não intubo, não ventilo”:

A ML também evita a aposição da língua com a faringe, um problema comum da fibroscopia, que faz com que outros artefatos também utilizados na intubação com fibra óptica, como as cânulas de Williams, Ovassapian e Berman, nem sempre funcionem bem em pacientes anestesiados.


Intubação traqueal direta, às cegas através da ML

A intubação às cegas pode ser feita com relativo grau de sucesso através da ML em pacientes anestesiados, ou despertos após preparação adequada.

A vantagem da intubação às cegas através da ML, é a de ser um método simples, que não requer laringoscópio de fibra óptica. Publicações relatam índice de sucesso entre 30 a 93% de intubação às cegas através da ML, dependendo da técnica, experiência, número de tentativas, equipamento utilizado e da aplicação coordenada de pressão cricóide.


topo da página

voltar

página inicial